Percurso I: Nova Iorque + Washington + Chicago (possibilidade de extensão a Boston) Voos + comboio + hotéis (4 noites nova Iorque + 2 noites Washington + 3 noites Chicago):1.030 euros por pessoa. Extensão dois dias em Boston comboio + hotel:180 euros por pessoa. Agência de viagens: Preços em quarto duplo com trajectos de autocarro e sem extensão a Chicago: a partir de 1.780 euros por pessoa. Percurso II: Nova Iorque + Las Vegas + Los Angeles + Pacific Coast Highway + São Francisco Voos + 3 noites Nova Iorque + 2 noites Las Vegas + 2 noites Los Angeles + aluguer de carro + 2 noites Pacific Coast + 2 noites São Francisco: a partir de 2.100 euros por pessoa em quarto duplo. Agência de viagens: Preços em quarto duplo, não inclui nem Nova Iorque, nem a Pacific Coast:a partir de 2.666 euros por pessoa. Percurso III: Miami + Florida Keys Voos + aluguer de carro + 4 noites Miami, 4 noites Florida Keys: preços a partir de 1.157 euros por pessoa em quarto duplo.

Nova Iorque: Até ao nascer do Sol
Das lojas luxuosas de Madison Avenue aos amplos relvados de Central Park, entre lagos, esquilos, charretes e amantes do jogging. Da Park Avenue à Quinta Avenida com a sua passarelle de modelos, empresários e “tias”. Das luzes e neons de Times Square à fauna trendy do Meatpacking District e do Soho, entre lojas de novos designers, galeria de arte, esplanadas “hips” com “brunchs” alternativos. Dos pequenos restaurantes de Litlle Italy às movimentadas ruas de Chinatown, onde se encontram bancas a vender tudo, de cágados a malas Louis Vuitton. De Rolex´s a enguias vivas.
Do “Finantial District” com as suas ruas empilhadas de homens de negócios, corretores de bolsa de semblante carregado e passo apressado, às mulheres de “tailher” cinzento e ténis, sempre a caminho do metro. Ou do barco. Com a estátua da Liberdade ao Fundo e o “Empire State Building” ali tão perto. Está sempre perto. Como o “Empire State Building”. Esteja-se onde se esteja, A espreitar-nos por cima do ombro. Como os carrinhos de cachorros quentes e de “pretzels”, as loja de flores e de “bagels” com “cream cheese”. Em Nova Iorque, onde se sente a vida a pulsar. Onde tudo muda, nasce e renasce a cada dia. De um dia para o outro. Sem parar. Não há cidade igual. Não há igual.

Washington: Um hino à nação
Com pouco mais de dois séculos de história, a capital adminstrativa dos Estados Unidos, Washington DC, espelha bem a adoração que os americanos têm pelos símbolos do seu país. Pelo centro da cidade, entre a Casa Branca e o Capitólio não faltam monumentos, memoriais, estátuas e museus a homenagear as figuras e os momentos que marcaram o país nos últimos 200 anos. Passar uns dias em Washington é sem dúvida levar um banho de cultura.

Chicago: A cidade de Al Capone
Chicago tem um pouco de tudo: um centro com grandes arranha – céus espelhados, onde se destaca a Sears Tower –um dos prédios mais altos do mundo – uma Chinatown, uma Litlle Italy e uma Greektown repleta de restaurantes e uma forte comunidade gay na área de Lakeview, zona de bares ecléticos, lojas originais e restaurantes étnicos. Tem ainda um Golden Mile cheia de lojas e um lago que mais parece um mar.

Boston: O berço de um país
Considerada até hoje uma das principais cidades americanas conjuga em perfeição os bairros de antigos edifícios de tijolo e as pequenas igrejas centenárias, com grandiosos arranha céus espelhados. Uma mistura de charme, numa cidade feita para andar a pé. Entre as ruas estreitas de Beacon Hill, com as suas galerias de arte, pastelarias e boutique hotéis, até ao bairro financeiro, onde se concentram os grandes edifícios de arquitecura pós-moderna. Do bairro italiano com as suas festas de rua, os seus restaurantes acolhedores, até às margens do rio Charles, onde os longos relvados acolhem locais e turistas nas tardes de sol.

Las Vegas
Casinos, hotéis sumptuosos, limousines, repuxos que dançam ao som das músicas de Sinatra. Terra perdida no meio do deserto do Nevada, onde tudo é possível.

Los Angeles
Los Angeles está longe de ser uma cidade, mas sim uma cidade com várias cidades, com vários mundos, com várias modas, estilos e comunidades. Uma Beverly Hills de avenidas com mais de 45 quilómetros, ladeadas por gigantescas palmeiras e sumptuosas moradias. Com uma mítica Rodeo Drive, uma das ruas mais snobs do mundo, pejada de lojas caríssimas. Uma Hollywood cheia de estrelas, uma Baixa que parece uma pequena cópia de Manhantan e uma Santa Mónica imortalizada na série Marés Vivas. Uma “passarelle” à beira-mar pejada de corpos esbeltos, homens musculados, loiras de patins em linha, amantes do jogging e aficionados do surf. Já em Malibu esquece-se o barulho da cidade ao fundo e fica o som das ondas, os golfinhos, as falésias e… as “chips and shrimps”.

Pacific Coast: Uma das mais belas estradas do mundo
Setecentos quilómetros por aquela que é considerada uma das estradas mais bonitas do mundo, a Pacific Coast Highway. Desde a “cidade dos anjos” até à cidade dos “hippies”, ao longo da Califórnia sempre com o oceano ao alcance do olhar. Uma marginal a perder de vista, povoada de surfistas, esquilos, vacas e leões marinheiros, com as ondas a rebentar ao fundo e as gaivotas a sobrevoar o mar.

São Francisco: A cidade mais latina dos EUA
Por aqui janta-se tarde, enchem-se as ruas pela noite fora, dão-se abraços em público, bebem-se cervejas pela garrafa em plena avenida. Até há um bairro exclusivamente gay, o Castro, polvilhado de bandeirinhas multicolores e repleto de esplanadas cheias e restaurantes originais. Até há um bairro exclusivamente “hippie”, Haight Ahsbury, com uma esquina onde nasceu este movimento e com um espírito que mantém até hoje a corrente bem desperta.
Em São Francisco sente-se acima de tudo que há vida pelas ruas que sobem e descem vertiginosamente até ao mar. Colinas sem fim, por onde se encavalitam as casas de madeira tipicamente vitorianas, com vista para os eléctricos abertos que vão subindo a custo, carregados de pessoas que se cumprimentam quando os carros se cruzam.

Miami: A cidade mágica
Sol, calor, praias, noite e gente bonita. Tudo isto com muito “salero”, muita salsa no ritmo, muito tempero caribenho no aroma. Há 100 anos, Miami não passava de um posto comercial, hoje é uma cidade grande, onde os imigrantes da América Latina marcam o ritmo com a sua cultura presente em cada esquina. Com muita música, com muita vida.
Intitulada de “cidade mágica”, pelo pouco tempo em que cresceu e se transformou, Miami não é apenas uma cidade, mas um conjunto de várias. Na Baixa, os arranha-céus espelhados, as empresas de topo, os bancos. Em Litlle Havana, as ruas estreitas, as “bodegas”, o café cubano, os cartazes de Fidel, os velhos a jogarem dominó nas soleiras das portas. Em Coral Gables, as mansões dos ricos, os iates à porta, As avenidas ladeadas de carvalhos, os restaurantes mais clássicos. E por fim, South Beach, a loucura, a juventude eterna, o design, a moda, as lojas de designers, a praia a perder de vista. A noite até de manhã, o glamour, o desporto, o culto pelo corpo. Tudo isto à beira-mar, onde o sol brilha todo o ano. Para aproveitar em grande.

Florida Keys: EUA com sabor a Caribe
Há quem lhes chame “o paraíso”, há quem as apelide da “Capital do Mergulho nos Estados Unidos”, “Capital Mundial da Pesca Desportiva”,  a “Mais Bela Praia do Mundo” e por aí fora… eu chamo-lhes um pouco de tudo isto e e um pouco de mais.
Com o nome de Florida Keys, localizam-se já no fim dos Estados Unidos, a 120 quilómetros a Sul de Miami,  a caminho de Cuba. Sem os néons da primeira, mas com a descontracção da segunda. Sem o culto do corpo, sem o silicone, sem os descapotáveis, mas com muitas palmeiras, sandálias, calções e corpos bronzeados. Muitas esplanadas, mais bicicletas do que carros, mais areia do que alcatrão. E muito calor, muita música, muito mar azul-turquesa.
O sitio ideal para uns dias de descanso, de boa comida, de bons mergulhos. Os escritores Ernest Hemingway e Truman Capote foram alguns dos notáveis que por aqui viveram e não é preciso muito para se perceber porquê.